ESTIMA-SE QUE, TODOS OS ANOS, OS OCEANOS SEJAM POLUÍDOS COM CERCA DE 4,8 MILHOES A 12,7 MILHÕES DE TONELADAS DE PLÁSTICOS.

Tête-à-tête com Ana Duarte

Ana_Duarte

E já vamos no quinto Tête-à-Tête! O tempo passa a correr, não passa? Hoje trago-vos mais uma rapariga inspiradora, a Ana Duarte! Conheci esta lisboeta na HeForShe Lisboa, onde lutamos juntas pela igualdade de género. Foi notório o seu empenho para com a causa

Mais tarde fiquei a conhecer o seu gosto por sustentabilidade, li uns textos seus e pensei logo “tenho de a levar ao Tête-à-Tête”. Para escrever esta introdução pedi a uma amiga sua que a descrevesse. Ela respondeu que era uma tarefa difícil mas decidiu-se por ambiciosa,  inteligente, super trabalhadora e empática. 

Falamos também de direitos humanos e Responsabilidade Social das Empresas! Fiquem a conhecer… a Ana!

Fala-nos um bocadinho sobre ti, para os nossos leitores te conhecerem.

Eu tenho 22 anos e sou licenciada em Direito. Neste momento encontro-me no primeiro ano do Mestrado em Direito e Gestão da NOVA School of Law e faço parte do NOVA Centre on Business, Human Rights and the Environment e da HeForShe Lisboa. Nasci em Lisboa, mas a minha infância foi passada entre a capital e a Sertã. Tive a sorte de crescer no Mercado de Arroios, que é onde os meus pais trabalham, e aí pude estar em contacto com muitas pessoas e com diferentes realidades. Desde os clientes, aos vendedores, passando pelos sem-abrigos que usavam o Mercado para passar a noite, fiz muitas amizades e aprendi com todos eles, sobre o que é a vida. Adoro o contacto com a Natureza, por isso mesmo na cidade tento ter as minhas plantas e alguns momentos onde possa respirar ar puro. Sou uma curiosa profissional, com um carinho muito especial pela Arte nas suas diferentes dimensões e ligeiramente workaholic.

Quais os valores que te movem?

Creio que os valores que me movem são o respeito, a empatia, a compaixão e a entreajuda. São estes que me inspiram no meu dia-a-dia e permitem-me delinear aquele que é o meu percurso. Todos os valores que referi foram aprendidos ao longo desta minha caminhada e tento que estejam presentes em todas as pequenas e grandes coisas que vou realizando.

Como surgiu a sustentabilidade na tua vida?

O meu interesse pela sustentabilidade surge da minha curiosidade, de ter sentido a necessidade de aprender mais coisas do que aquelas que me ensinaram ao longo da licenciatura, e da minha constante preocupação com o mundo que irei deixar para as gerações futuras. Desta forma, fui me informando mais sobre o que era isto de sustentabilidade e tentei procurar a sua ligação ao mundo do Direito. Acabei por fazer um trabalho na minha Pós-graduação sobre Sustainable Corporate Finance e Green Bonds, o que suscitou em mim uma ainda maior motivação para aprofundar os meus conhecimentos nestas áreas.

Quais/Quem achas que são os responsáveis por alterações climáticas?

Acho que todos nós somos responsáveis pelas alterações climáticas. Digo isto porque o modelo económico subsistente é o resultado de um pensamento que não acolhia preocupações com a escassez dos recursos naturais, nem com os possíveis impactos sociais, económicos e ambientais do consumo desenfreado e da produção em massa. Por esta razão não podemos apenas apontar o dedo a um sujeito quando ao longo da História toda a sociedade foi contribuindo para tal, seja através do seu consumo seja apenas por aceitarem ou não se imporem a determinados comportamentos. Acho que mais importante do que refletirmos sobre os responsáveis, porque será uma discussão sem fim, devemos agir e tentar remediar o que foi e continua a feito.

Quando falamos em sustentabilidade, muitos pensam só em proteção ambiental, mas esta é muito mais. Investigas a área de sustentabilidade e direitos humanos. Fala-nos um pouco como estes dois tópicos estão interligados.

O desenvolvimento sustentável, segundo o Relatório Our Common Future é um desenvolvimento que procura atender às necessidades atuais, sem colocar em causa as necessidades das gerações futuras. Desta forma, a sustentabilidade comporta três dimensões: ambiental, social e económica. A primeira dimensão, e mais conhecida, diz respeito aos recursos naturais do nosso planeta e como estes apresentam limitações. A social aborda questões como as desigualdades ainda existentes e as suas consequências, a satisfação de necessidades básicas e a melhoria da qualidade de vida. Por fim, a dimensão económica recai sobre um modelo económico que valorize e respeite as outras dimensões, permitindo o crescimento de uma economia ética e justa. Estas dimensões encontram-se interligadas e são interdependentes. Por exemplo, quando falamos em direitos humanos temos de ter em mente que as alterações climáticas colocam em risco a completa satisfação e fruição dos nossos direitos. Pensemos nas populações com maiores fragilidades e carências socioeconómicas, que têm difícil acesso a cuidados de saúde. O aumento das temperaturas e a poluição poderão implicar o difícil acesso a alimentação e a água potável, tal como poderão significar diferentes problemas de saúde, entre os quais a nível respiratório, o que colocará em risco estas vidas. Por isso, é tão importante compreendermos que a sustentabilidade não se limita à proteção ambiental, mas sim à proteção de todos os seres do nosso planeta.

Um dos teus interesses é Corporate Social Responsibility. Explica-nos o que é isso e a importância das empresas terem esta componente.

Corporate Social Responsibility ou Responsabilidade Social das Empresas é um conceito de difícil definição porque este tem evoluído com as nossas preocupações e exigências. No entanto, pode ser entendido como uma obrigação voluntária das empresas de agir sobre os seus impactos sociais e ambientais. Digo obrigação porque cada vez mais esta é entendida como uma obrigação moral/ética, como um dever que surge das diferentes pressões externas que recaem sobre as empresas e do facto de estas utilizarem, na sua atividade, recursos que são de todos e que são escassos. A parte da voluntariedade tem na sua base o facto de esta não ser nenhuma obrigação legal, mas sim algo que as empresas escolhem fazer e em que moldes o fazem.
As práticas e políticas de responsabilidade social são uma forma de fomentar uma cultura empresarial respeitadora e consciente, daí a sua importância. A proatividade das empresas será uma mais-valia para que possamos ter um desenvolvimento sustentável.

Ana_Duarte

E nós, “pessoas normais” que podemos fazer para influenciar empresas a ser mais sustentáveis?

Acho que nós “pessoas normais” por vezes não compreendemos o poder que temos. Enquanto consumidores temos o poder de escolher o que queremos consumir e demonstrar as nossas preferências. Desta forma, podemos não escolher determinados produtos ou escolher outros por terem preocupações com a sustentabilidade. Para além deste facto, temos ainda a pressão social que podemos fazer sobre determinadas empresas, utilizando, por exemplo, as redes sociais para abordar questões relacionadas com este tema. Importa compreendermos que podemos ser agentes ativos na mudança e também exigi-la às empresas.

Qual um desejo teu para o futuro?

Gostaria, acima de tudo, de poder assistir a um mundo mais igual, onde houvesse mais entreajuda, companheirismo e respeito.

Sugestões da Ana

Doughnut economics

Livro: “Doughnnut Economics” de Kate Raworth

Podcast: NOVA Centre on Business and Human Rights and the Environment

Documentário: “A Life on Our Planet”

Partilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on twitter

Deixe um comentário

RECICLAR NÃO CHEGA

The truth is: the natural world is changing. And we are totally dependent on that world. It provides our food, water and air. It is the most precious thing we have and we need to defend it.

David Attenborough