ESTIMA-SE QUE, TODOS OS ANOS, OS OCEANOS SEJAM POLUÍDOS COM CERCA DE 4,8 MILHOES A 12,7 MILHÕES DE TONELADAS DE PLÁSTICOS.

Tête-à-tête com Iphi Kamarotou

Iphi_greenpeace

Uma semana depois, estamos de volta com o segundo Tête-à-tête, e vamos até Galway, na Irlanda, para conhecer a Iphi. Conheci-a quando participámos num intercâmbio Europeu e tal como a Inês, a minha primeira entrevistada do Tête-à-tête (quem não leu, de que está à espera?), foi amizade instântanea, não só pela personalidade parecida com a minha, mas também pelo facto de partilharmos os mesmos valores e ideais. Tem um extenso currículo de ativismo ambiental, nomeadamente com a Greenpeace

 

Lembro-me de ler livros sobre a Greenpeace e sonhar um dia ser ativista ambiental, tal como a Iphi! Fiquem a conhecer não só esta rapariga incrível mas também dicas de ativismo!

Fala-nos um bocadinho sobre ti, para os nossos leitores te conhecerem.

Sou a Iphigenia, mas todos os meus amigos estrangeiros chamam-me Iphi. Tenho 25 anos e estou a tirar um mestrado em Advocacia Pública e Ativismo na Universidade Nacional da Irlanda. Sou da Grécia e passei a maior parte da minha vida adulta lá fazendo voluntariado (e mais tarde a trabalhar) na Greenpeace Grécia. Também na Grécia, fundei um grupo informal de youth workers (ténicos da juventude) e ativistas em que organizo workshops e projetos Europeus. Quando acabar o meu mestrado, quero continuar a crescer, aprender e mudar o mundo à minha volta  da maneira que puder, mesmo que seja pequena.

O que te inspira?

Pessoas. Tenho uma admiração e apreço inesgotável pelas pessoas à minha volta e sou um tanto otimista na natureza humana em si. Sinto-me sensibilizada por histórias de pessoas a lutar contra injustiças e desigualdades, pessoas a reimaginar o mundo à sua volta. É isto que me faz continuar. 

Como começou a tua luta contra as alterações climáticas e sustentabilidade?

Quando tinha 18 anos, estava a viver de uma maneira hedónia e um pouco superficial. Todas as minhas preocupações era onde ir almoçar, tomar café, ir sair à noite. Mas um dia eu pensei “Hey, tem de haver mais vida para além disto”.  Por isso, decidi que queria educar-me sobre o que está a acontecer fora da minha “micro realidade” e comecei a fazer voluntariado. Na Greenpeace mas também na Amnistia Internacional, Médicos do Mundo e muitas outras organizações.  De repente, estava super consciente de todas as coisas erradas com a sociedade em que estava a viver. Relativamente ao ambiente, eu estava espantada como a soução para a crise climática estava mesmo à nossa frente e ninguém parecia querer saber. 

Para ti, quem é o maior responsável pelas alterações climáticas?

Capitalismo. Este sistema foi criado para explorar tanto o planeta como as pessoas que nele habitam. É também uma maneira “sem cara” de referir a causa do problema. Dizer “oh é o capitalismo”, muitas vezes é uma maneira de retirar a culpa e responsabilidade de grandes corporações, lobbies, governos e organizações internacionais, que são os que mantêm este sistema e lucram da destruição do planeta.

Como foi a tua experiência com a Greenpeace?

Sou voluntária e ativista na Greenpeace desde 2015. Também trabalhei no escritório Grego na receção e no departamento de angariação de fundos. Esta organização será sempre casa para mim.  Tenho imensas histórias: organizar eventos para consciencializar pessoas, vestindo-me de peixe, parar pessoas na rua para os informar de campanhas, participar em campanhas diretas e não violentas, sempre rodeada de pessoas que se preocupam com o ambiente como eu e querem criar a mudança.  Como voluntária aprendi tantas coisas sobre alterações climáticas e energias renováveis, pesca sustentável, poluição do plástico… Serei sempre grata à Greenpeace por isso e sentir que faço parte de uma comunidade global de pessoas que tem experiências semelhantes às minhas.

12278741_508421349331346_2728055651688930476_n

Alguma ação que te tenha marcado?

Acho que a ação que mais me marcou e que é um exemplo de aquele sentido de comunidade global que já referi, foi uma ação em Espanha. Foi marcante ver os ativistas da Greenpeace de várias partes do mundo a unirem-se e dizer não ao carvão e combustíveis fósseis, ficando horas numa canoa na água, pacificamente exigindo mudança. Estando lá senti o poder de pessoas quando se juntam, o apoio das comunidades locais para com os ativistas e o grande potencial que resistência não violenta criativa pode ter como ferramenta de ativismo.

Também irei sempre lembrar-me de um derrame de petróleo perto do porto de Atenas em 2017, que pintou todas as praias de Atenas de preto. Os voluntários a Greenpeace ajudaram os funcionários de limpeza e testemunharam a destruição. Eu lembro-me do cheiro do petróleo e como aquilo parecia inevitavel e sem fim. Lembro-me também dos ativistas a  explicar como o petróleo iria ficar no ecosistema por vários anos, e como, depois de várias semanas de limpeza a costa parecia escura como antes.  Na ação seguinte que fizemos em frente ao Ministério do Ambiente em Atenas, eu estava a segurar o cartaz “A questão não é se HAVERÁ mais um derrame de petróleo, mas sim QUANDO“.

greenpeace_ação

Como estudante de ativismo, que dicas davas a alguém que está interessado em começar o seu ativismo?

Diria para olharem para a sua comunidade local. Há sempre pessoas interessadas pelos mesmos assuntos que tu. Vai ter com eles, aprende e juntos criem a mudança.  

Existem várias maneiras de ser ativistam muitas vezes só se pensa em pessoas nas ruas em protesto. Que outras ténicas sugeres que podem ter um impacto?

Manifestações podem ser eficazes e poderosas, pois fazem com que te sintas menos sozinho no teu ativismo. Sinto que ação direta não violenta  e desobediência civil são das técnicas mais eficazes. Não há uma resposta fácil para o que é ação direta não violenta. Pode ser tudo o que interrompe/desafia a maneira normal de fazer as coisas. Quanto mais inexpectável, disruptiva e participava for, melhor.  Sugiro que vejam o site “Beautiful Trouble” para entenderem melhor desobidiência civil e aprender outros métodos de resistência criativa.

Qual é um desejo que tens para o futuro?

Reimaginar a palavra “normal”. Criar uma nova realidade baseada em comunidades de amor. Amor uns pelos outros e pelo planeta.

Filme: “Captain Fantastic”

Livro: “This Changes Everything” de Naomi Klein 

Partilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on twitter

Deixe um comentário

RECICLAR NÃO CHEGA

The truth is: the natural world is changing. And we are totally dependent on that world. It provides our food, water and air. It is the most precious thing we have and we need to defend it.

David Attenborough