ESTIMA-SE QUE, TODOS OS ANOS, OS OCEANOS SEJAM POLUÍDOS COM CERCA DE 4,8 MILHOES A 12,7 MILHÕES DE TONELADAS DE PLÁSTICOS.

Caderneta Sustentável I João Almeida

João Brás

Uma caderneta sustentável? O que é isso? Vamos ter cromos físicos? Não, descansem. Trata-se da nova rúbrica do Reciclar Não Chega!                       

Assim, numa altura em que estamos em confinamento, pretendemos alertar-te para a necessidade de, também neste período, não te esqueceres de que é necessário atuar. Neste sentido, convidámos alguns influenciadores e marcas a dar o testemunho, mostrando-nos que a mudança não é assim tão difícil. 

Seja através da redução do nosso consumo, da alimentação, do apoio à economia circular ou, simplesmente, mostrando à nossa rede o que tem vindo a acontecer naquele que é o NOSSO Planeta.

O perfil que hoje damos a conhecer é o de João Almeida, que se destaca pelos temas da sustentabilidade, direitos dos animais e alimentação.

Caderneta Sustentável I Especial Confinamento (10)

João Brás

Quem é o João Almeida?

O João Almeida é uma pessoa apaixonada por natureza e tudo o que ela engloba desde criança, aventureiro, ativista dos direitos dos animais e mais recentemente, alguém que procura informar e educar as pessoas do seu impacto no planeta através das suas escolhas alimentares.

Muitas pessoas ainda pensam que sustentabilidade tem o mesmo significado do que o ambiente, não lhe conferindo a devida importância. Como fazer entender que este conceito também envolve a economia e pessoas?

Sem dúvida que este primeiro ponto é parte verdade, mas creio que cada vez mais com as novas gerações, esta imagem “clássica” de sustentabilidade está a desaparecer, com a facilidade de acesso à informação, e o poder das redes sociais cada vez mais pessoas têm oportunidade de mudar de paradigma. 

Temos de perceber que sustentabilidade vai muito para além de apenas cuidar do planeta (que acredito que seja um dever colectivo). Assim, é importante promover uma mudança de como interagimos com a natureza, aproveitando o conhecimento e tecnologia que temos para reintroduzi-la novamente na nossas vidas e ambiente em redor, utilizando o poder que esta tem para tornarmos a nossa sociedade mais verde, consciente e evoluida. Só desta forma é possível vivermos em harmonia.
 
Por outro lado, devemos apostar em modelos económicos sustentáveis, (por exemplo, que possibilitem a reutilização dos materiais já existentes em prole de matérias-primas virgem, ou que apostem em tornar as nossas cidades mais verdes). Só assim é possível criar uma alternativa ao modelo capitalista que existe hoje em dia e que promove um crescimento infinito, insustentável, como se todos os recursos no planeta também o fossem.

A nossa alimentação é o sector que contribui com maior número de emissões de efeito estufa. Foi esta a razão que te motivou a ser vegan?

Sem dúvida que este ponto é realmente importante e tem de ser falado. E sim, em parte foi parte uma das razões para ter mudado de estilo de vida (juntamente com a ética).

Toda esta jornada começou quando, há uma década, assisti ao documentário Earthlings (Terráqueos em português). Mais tarde, assisti ao documentário Cowsparicy, que foi a “última peça do puzzle” para avançar com esta mudança.

Tens feito diretos no Instagram para falar sobre temas relacionados com sustentabilidade e veganismo. É algo que vais continuar a apostar no futuro?

Sim, acho realmente importante interligar estes dois tópicos. Já tenho alguns diretos planeados e agendados em que vamos abordar assuntos relativos a estes dois pontos com pessoas dentro de ambas as aréas.

No entanto, estou sempre aberto a sugestões. Caso conheçam alguém que possa acrescentar valor num direto, não exitem em me contactar.

Durante os diretos, qual foi a coisa que partilharam contigo que mais te marcou? E o que é que passaste a saber que desconhecias de todo?

Até à data talvez o que me mais marcou foi mesmo a questão do desperdicio calórico na produção de carne (algo como: 6 kcals de cereais apenas produzem 1kcal de carne) que é tão simples de entender que não é sustentavel, mas, ainda assim, muitas pessoas não sabem ou se questionam sobre isso.

Relativamente ao que desconhecia era que o impacto dos transportes não fosse assim tão significativo como pensamos (sendo que a etapa da produção e o uso de recursos tem muito maior pegada que o trnasporte em si).

Há muitas pessoas a quererem viver um estilo de vida mais saudável mas a não saber por onde começar. Qual o conselho que darias? Qual achas que é o "primeiro passo" mais simples?

Bem, esta questão é realmente importante. Creio que não exista um “primeiro passo” igual para toda a gente, por isso os conselhos que posso dar é que comecem a mudança pelas partes mais fáceis de mudar.

Sejam elas reduzir o consumo de produtos de origem animal, o uso ou até mesmo eliminação dos mesmos. Creio que cada um deve levar o seu ritmo. Cada passo é importante neste caminho rumo a um estilo de vida o mais sustentável possivel.

A educação também é algo realmente importante, por isso investiguem, vejam documentários, leiam livros ou estudos para que possam tomar uma decisão consciente ou como se diz em bom português com “pés e cabeca”.

Porque achas que existe alguma "aversão" à palavra "vegan", às pessoas que são veganas e até mesmo vegetarianas? Como lidas com isso no dia a dia?

Sim, a palavra “Vegan” muitas vezes está conectada a algo negativo. Talvez porque as pessoas associem a coisas menos boas ou mais radicais aos olhos da sociedade.

Relativamente à forma como lido com isso no dia a dia é super fácil. Devemos ser um exemplo para os outros, abertos, bem dispostos e pragmáticos,  para que as pessoas com quem interagimos criem uma opinião positiva ou que mudem a mesma. Lead by example!

Sendo tu praticante de desporto, tiveste alguns receios iniciais quando decidiste optar por uma alimentação plant based?

Esta pergunta é realmente interessante porque, antes desta transição, não podia ser mais o oposto do que sou hoje.

Graças a esta mudança comecei a sentir os meus níveis de energia a subir.. Penso que, por isso, tenha vindo a necessidade de a gastar e ser mais ativo fisicamente.

Quando comecei esta jornada, já estava ciente dos factos e da ciência que apoiava esta mudança por isso nunca me preocupei demasiado com esta transição.

João Brás Rolo de Lentilhas

Quando, antes do Covid, fazias ativismo nas ruas (a mostrar imagens de matadouros, falar com as pessoas sobre a indústria da carne, etc), que tipo de feedback de recebias?

Muitas delas ficavam surpeendidas e até em choque, o que demostra quão desconcetados hoje em dia estamos da nossa comida.

Mas, no final da maioria das vezes, as pessoas ficavam sensibilizadas e concordavam que era algo terrivel e afirmavam que iam tentar mudar.

Achas que passar mais tempo na natureza pode ser uma forma de as pessoas se sentirem mais inspiradas a fazer algo pelo Planeta?

Sem dúvida. Durante a primeira quarentena o facto de ainda estar a morar fora da cidade foi uma enorme ajuda para reconectar-me com a natureza e a (re)descobrir um pouco da minha ligação por ela e pelos animais que nela habitam.

É super fácil, especialmente nas cidades, “cairmos” naquele loop de modo automático e ignorar por completo as pequenas coisas em nosso redor. Por isso é que, mesmo para quem nelas vive, o simples facto de existir a possibilidade de ir a um espaço verde é realmente importante. 

Acreditem que se vão surpreender com a quantidade de interações de espécies que podem existir (desde as mais pequenas, como os insectos, às maiores, como pássaros e enventualmente mamíferos).

João Brás Papas de Aveia

Para quem acha que uma alimentação plant based é aborrecida, que duas receitas recomendas para provar o contrário?

Confesso que demorei algum tempo a escolher apenas duas receitas, porque queria algo simples para que fosse replicável por toda a gente.

Creio que papas de aveias com um bom topping de fruta, manteiga de frutos secos e um stapple é uma boa opção.

Por outro lado posso recomendar um rolo de lentilhas no forno, com tudo a que tem direito. 

Vão surpreender-se!

Têm imensos blogs hoje em dia com receitas incríveis mas, caso queiram mais informação de alguma receita ou sugestão, basta enviarem-me mensagem!

Partilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on twitter

Deixe uma resposta

RECICLAR NÃO CHEGA

The truth is: the natural world is changing. And we are totally dependent on that world. It provides our food, water and air. It is the most precious thing we have and we need to defend it.

David Attenborough